Crescer dói? Venham entender sobre a dor de crescimento


10 de out de 2017




Crescer dói?

Crescer dói? Venham entender sobre a dor de crescimento



Crescer em todos os significados que a palavra pode trazer pode ser doloroso. Desde as transformações do bebê para uma criança que interage na sociedade até o turbilhão da adolescência e as modificações para a fase adulta.

 Nesse momento de vida, é comum algumas crianças referirem uma dor em membros, intermitente, muitas vezes diagnosticada como dor de crescimento.

Dor de crescimento 


Crescer dói? Venham entender sobre a dor de crescimento



A dor de crescimento, ou dor em membros, não é considerada uma doença, pois não traz dano em estruturas e não tem processo inflamatório. Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria, a idade de maior acometimento varia de 2 até 14 anos, acomete cerca de 25% das crianças, não havendo distinção entre meninos e meninas.

Não se sabe exatamente a causa da dor, mas acredita-se que esteja relacionado a fatores como falta de vitamina D, fadiga muscular, desequilíbrio entre o desenvolvimento dos ossos, tendões e músculos e crianças com pés planos.

Geralmente, a dor se manifesta de forte intensidade, nas duas pernas, com predomínio noturno ou no final da tarde, depois das atividades físicas, podendo acordar a criança à noite, que chora de dor. A dor dura de minutos a horas e é mais frequente nas pernas e joelhos.

O que é mais importante é notar que a dor não interfere nas atividades diárias, melhora espontaneamente sem medicamentos ou então com massagem no local e não é acompanhada de inchaço nas articulações, vermelhidão ou febre. Também, as crianças não conseguem localizar um ponto especifico de dor, não mancam ao andar e não tem outros sintomas associados.


Tratamento



O tratamento envolve uso de compressas mornas, massagem local e, se necessário, o uso de medicações analgésicas sob orientação medica. Também são recomendados a pratica de atividades físicas de baixo impacto e o uso de calcados adequados para a idade. O apoio e carinho dos pais ajuda muito a criança a passar por esse momento com mais tranquilidade.

Espero ter ajudado


Com Carinho, Dra Lara Soares.



Dra.Lara Soares
Pediatra com titulo de especialista em Pediatria pela Sociedade Brasileira de Pediatria
Graduada na Universidade Federal de Juiz de Fora 


Residência médica em Pediatria pelo Hospital Municipal "Dr Jose de Carvalho Florence".

4 comentários:

  1. Já tinha ouvido falar muito deste assunto, mas nunca tinha lido nada sobre... Adorei o post!

    ResponderExcluir
  2. Aqui em casa sofremos bastante com a dor do crescimento do filhote. Fiz até um post sobre isso:
    http://somelhora.com.br/2017/05/09/dor-do-crescimento/

    ResponderExcluir
  3. Nossa eu adorei seu post. Meu filho tem essa dor de vez em quando...grita de dor, e sempre de noite/madrugada.
    Mas passa rápido, ainda bem

    ResponderExcluir
  4. Mari adorei o post, aqui não tivemos dor, mas estava sempre de olho para qualquer sinal
    Bjs Mi Gobbato

    ResponderExcluir