O Brincar e o Desenvolvimento Infantil


20 de jun de 2017



O Brincar e o Desenvolvimento Infantil


O Brincar e o Desenvolvimento Infantil

Brinque com o seu filho, proporcione a ele momentos para brincar dentro e fora de casa, permita que ele explore o melhor da infância, o mais saudável, permita que ele simplesmente  brinque!
Christiane Junqueira
Quem gosta de brincar levanta a mão! Seja adulto ou criança, todos nós gostamos de brincar não é mesmo? Arrisco dizer que, em meio a tanta responsabilidade do dia a dia, os adultos parecem se divertir mais que as crianças quando estão brincando. Mas o brincar tem uma grande diferença entre adultos e crianças. Para a criança brincar é um momento em que  muito se aprende, sente e expressa, pois além do prazer proporcionado pela brincadeira simplesmente, também existe o desenvolvimento social, cognitivo e emocional.


A brincadeira proporciona a criança conhecer o mundo através do faz-de-conta. Apresenta para ela novas linguagens que a ajudam a pensar a realidade de forma criativa. Ela desenvolve o raciocínio, a atenção, a  imaginação e a criatividade, aliás as duas últimas são verdadeiras aliadas das crianças,  que mais contribuem para seu desenvolvimento.

No que diz respeito ao desenvolvimento social, o papel do brincar é muito importante, pois mostra a criança o que é socialização. Nesse momento a criança aprende  a partilhar – dividir, aquela famosa frase que toda mãe usa: Filho divide o brinquedo com seus amigos! Quando está brincando a criança começa a dividir, a desenvolver o sentimento de cooperação – ajuda, melhora a comunicação e a forma de relacionar-se, desenvolvendo a noção de respeito por si e pelo outro, bem como sua auto-imagem e auto-estima. Ela vivência a realidade e a cultura na qual está inserida,  conhece e compreende o mundo adulto, aprende a comportar-se e a sentir como ele, assim conhecendo a si mesma.

Como já mencionado, o brincar é o mundo do faz-de-conta, e esse mundo proporciona a criança a oportunidade de vivenciar situações e conflitos da sua vida familiar e social, permitindo-lhe  a expressão das suas emoções.

Brincar é uma forma segura das crianças encenarem os seus medos, as suas angústias e a sua agressividade e de tentarem elaborar e resolver os seus conflitos internos. Os jogos, nos quais está implícito o perder e o ganhar, permitem que a criança possa começar a trabalhar a sua resistência à frustração. Aprender a lidar com esse sentimento é essencial para o seu equilíbrio emocional e para o desenvolvimento da personalidade.

Para Freud (1908), “a criança brincando cria um mundo próprio ou rearranja as coisas de seu mundo numa forma que lhe agrada. A criança leva seu jogo a sério e investe emoção nele”.

Os benefício do brincar são muitos e de extrema importância para o desenvolvimento da criança, mas também é muito importante que os pais brinquem com seus filhos, por isso o adulto deve participar das  brincadeiras, pois este momentos proporciona interação e fortalecimento dos laços afetivos. Estes momentos juntos proporciona ao adulto intervir no comportamento da criança frente às inadequações, bem como estimular a imaginação da criança, ajudando-a a construir ideias e questionando-a para descobertas de soluções. Sua participação enriquece o ambiente, uma vez que podem lhes ensinar a explorar diferentes linguagens como a musical, corporal, gestual, escrita.

Segundo Winnicott (1975),  "a brincadeira é universal e é própria da saúde: o brincar facilita o crescer, logo a saúde". 
Também é através do brincar, que muitas vezes, pais, professores e terapeutas conseguem observar dificuldades cognitivas, inadequações de comportamento e algum tipo de transtorno.

Referências:
WINNICOTT, D. W. (1975) O brincar & a realidade. Trad. J. O. A. Abreu e V. Nobre. Rio de Janeiro: Imago.

FREUD, Sigmund (1908) Obras Completas de Sigmund Freud, vol. IX. Rio de Janeiro.


Christiane Junqueira, psicóloga, especialista em Psicologia Hospitalar pela FMABC – Faculdade de Medicina do ABC, Neuropsicologia pelo INESP – Instituto Neurológico de São Paulo e aprimoramento em Reabilitação Cognitiva também pelo INESP.

Nenhum comentário:

Postar um comentário