Olá Mamães,


Tudo bem?



Seminario Pais & Filhos




Hoje vou falar do seminário que participei no último domingo (15/05) promovido pela Pais & Filhos Mãe também é gente no shopping D&D.


O evento teve ínicio as 8:00 da manhã onde convidados e mamães retiraram as credenciais e ainda ganharam uma sacola cheia de mimos, quando olho a credencial estava a foto do meu pequeno então se batia aquela saudade era só olhar o rostinho dele rsrs.


O Seminário mãe também é gente serve para a mãe preocupada em fazer sua família mais feliz e saudável, sem deixar de ser ela mesmo. Mãe é mãe, e ser mãe é maravilhoso, mas antes de tudo, esta mãe é também uma mulher com vida própria, com sonhos, desejos e necessidades.



“Mãe também é gente” fala da necessidade de estarmos por inteiro na vida, e tentarmos ser completos, antes de ser mãe, antes da maternidade. A maternidade modifica, acrescenta, transforma, mas a mulher não pode e não deve deixar de pensar de forma independente do filho, ter seus interesses, fazer as coisas por ela mesmo, para poder entrar nessa troca, que é a relação com o filho, tendo o que dar. Sem se esvaziar. E ai, sim, ser uma mãe melhor. Ser uma mãe de verdade.
Monica Figueiredo Conselheira Pais e Filhos


Quem abriu esse seminário incrível foi a Mônica Figueiredo - Conselheira da Revista Pais & Filhos, além de ser simpática , soube conduzir muito bem o evento.

E ainda passou informações que tenho que compartilhar com vocês.


  • 97 milhões de mulheres no Brasil
  • 32,3 milhões são mães
  • 22 milhões dessas mulheres são as chefes de suas casas
  • 72% delas não planejaram ser chefe de família
  • 17,4 milhões são mães e filhos sem um pai presente.
  • 65% São Mães empreendedoras
  • 44% Falaram em uma enquete feita pela Pais e Filhos no facebook que a maior fragilidade delas são a segurança dos seus filhos.
Cris Guerra - Colunista Pais e Filhos
Fonte Pais &Filhos

A primeira palestrante do dia foi a Cris Guerra, escritora, blogueira, publicitária e colunista da Pais & Filhos.
Ela contou sobre a sua trajetória de uma maneira leve e super divertida,  mas a história é de arrepiar e serve para você pensar pois muitas vezes reclamamos de coisas pequenas , e ouvindo tudo que ela passou , você acaba falando nossa eu não tenho problemas.
Vou compartilhar a história com vocês.
Cris perdeu a sua mãe com 19 anos e alguns anos depois perdeu o pai ambos estavam com câncer.
Se casou duas vezes, teve duas gestacoes que não evoluíram, se separou,ápos as duas separações e gestações, acabou desistindo de ser mãe , seguiu a vida. Mas a vida a surpreendeu acabou se apaixonando pelo Guilherme seu colega de trabalho, como ela disse um amigo que virou seu grande amor.
Engravidou , mas no seu 7 mês de gravidez o Gui teve um infarto fulminante, ficou sem chão , imaginem você grávida perder seu grande amor, mas seguiu em frente, pois dentro dela tinha seu Francisco nome que deu para seu filho.
Criou o blog Cartas para Francisco para contar para seu filho  sobre o pai Gui, que virou livro e vai virar filme.
Pouco tempo depois criou o primeiro blog de looks diários do Brasil  Hoje vou assim. O trabalho incrível virou um livro Moda intuitiva.
Cris viaja pelo País compartilhando a sua linda história de vida.
Mãe não e um bicho frágilfoi o tema do seminário , onde conta como encontrou forças para seguir em frente e ainda 10 coisas que aprendeu com a maternidade.


  1. Não vem com manual
  2. É uma aventura sem volta
  3. Comparou chorou
  4. Mães precisam de ajuda
  5. Mães são empreendedoras por natureza
  6. ter um filho rejuvenesce
  7. Ser mãe não é nossa única forma de realização
  8. O que faz um filho feliz (entre outras coisas) é ter uma mãe feliz
  9. Ser mãe é saber dizer não, principalmente para a expectativa.
  10. Nada como um filho
E para terminar compartilhou uma frase “Não existe roteiro para maternidade e filho não vem com manual de instrução. Ele é construído aos poucos e com ajuda da própria criança”.


Cris Guerra na palestra pais e filhos
                                     Fonte: Pais & Filhos     


A segunda palestra foi da escritora norte - americana e coautora da serie best - seller A encantadora de bebês Melinda Brau.

Ela escreve sobre relacionamentos há mais de 30 anos, tem dezenas de artigos que falam sobre família, casamento, educação, saúde e sexualidade publicados no The New York Times. 
Nesse seminário abordou o assunto Criança Rei x Birra e falou sobre família, pois ser mãe é importante, família é importante.
E o que faz uma família?

1 - Os indivíduos 

2 - Seus relacionamentos
3 - Seus contexto

Ainda falou da importância em não deixar seus filhos ser o rei ou rainha da casa, como é importante dizer NÃO para a criança e ainda deu dicas de como lidar com as birras das crianças.


Abaixo algumas dicas:

1 - Nunca fazer a primeira vontade dos filhos pois vai virar um costume

2 - Dar tarefas para os filhos
3 - Não gritar e sim conversar
4 - Conversar olhando nos olhos das crianças e falar baixo pois vai acalmar o filho

A birra está associada a ansiedade e trata-lá cedo é uma das formas de evitar o desenvolvimento do transtorno.

Cada vez que a birra é encerrada de maneira tranquila, o sistema anti estresse da criança evolui um pouco.

E para finalizar Mãe não é chefe e sim Guia.



Melinda Brau escritora



Mesa Redonda



Mesa redonda com artista pais e filhos
Fonte: Pais & Filhos

   
As convidadas da Mesa Redonda foi Maria Rita mãe de Antônio e Alice, é cantora, produtora musical  e colunista da Pais&Filhos. Ana Castelo Branco, mãe de Mateus e Helena, é publicitária, colunista e embaixadora da Pais&Filhos.Gabriella Manssur é mãe de Camila, Felipe e Arthur. Ela é promotora de Justiça e idealizadora do projeto Movimento pela Mulher.Luciana Mello, mãe de Nina e Tony, é cantora. Ela e seu marido, o fotógrafo Ike Levy, são embaixadores da Pais&Filhos e Miá Mello, atriz e comediante, é mãe de Nina.
O tema principal foi ser Mãe fica melhor ainda.

Abaixo algumas falas delas.



1. Maria Rita – A maternidade me salvou. Eu trabalhava muito e quando meu filho nasceu eu aprendi a dizer não. Assim, consegui dividir o meu tempo entre trabalho, família e eu mesma.
2. Ana Castelo Branco – A maternidade virou minha vida de cabeça para baixo. Foi uma experiência radical. Eu engravidei e perdi. Um ano depois, eu tive o Mateus, com síndrome de Down e, quando ele tinha cinco meses, engravidei da Helena.
3. Maria Rita – A característica mais forte da maternidade é quando você começa a entender que cada um é uma pessoinha diferente. Você aprende a respeitá-los e eles começam a te respeitar.
4. Luciana Mello – Ser mãe é um negócio maravilhoso que aconteceu na minha vida.

Betty Monteiro
                                      Fonte: Pais & Filhos
A terceira palestrante foi Betty Monteiro, mãe de Gabriela, Samuel, Tarsila e Francisco, é psicóloga, pedagoga e colunista da nossa revista. É autora dos livros “Criando Filhos em tempos difíceis”, “Criando Adolescentes em tempos difíceis”, “A Culpa é da Mãe”, “Cadê o pai dessa Criança?”   “Avós e Sogras” e Viver melhor em família que já estou lendo o livro e estou adorando. A palestra dela foi sobre Culpa Não, pois nos mães temos sempre aquele sentimento de culpa não importando o que aconteça rsrs.
Ela disse algumas frases muito importante como:
 “Mãe perfeita não existe e se existisse seria um porre”.
“Se você souber ouvir o que seu filho tem para dizer e aceitá-lo do jeito que ele é, você já será uma boa mãe”.
Luiz Hanns Pais e Filhos
Fonte: Pais & Filhos
A última palestra foi do Luiz Hanns, pai de Antonia e Julia, é psicólogo, pesquisador e terapeuta de casal há mais de 20 anos. Ele é autor do livro “Equação do Casamento”, lançado em 2013, que apresenta seis dimensões que as pesquisas mostram ser cruciais para que marido e mulher permaneçam casados e felizes: compatibilidade psicológica, saber conviver a dois, graus de consenso, atração sexual, ciclos de vida, pressões e frustrações externas e vantagens de permanecer casado. O psicólogo também escreveu “A Arte de dar limites – Como Mudar Atitudes de Crianças e Adolescentes”.
O tema abordado por ele foi “Para ser mãe não precisa deixar de ser mulher”, com certeza todo mundo já ouviu essa frase rsrs.
Ele explicou que quando o casal vai ter filho a ídeia que eles tinham de como seria muda completamente quando o bebê nasce,  “A vivência não vai ser tão simples como o casal imaginava. A maternidade acaba sendo algo bonito, porque editamos as experiências na nossa memória e um pequeno sorriso do nosso bebê pode apagar horas de choro”.
Ainda falou que estamos muito mais exigentes, cobrando a nós mesmas e os filhos também e  acabamos ficando muiuto mais estressadas.
E com isso o casamento fica comprometido, pois estamos em função de ser mãe e  esquecemos do nosso eu , por isso que muitas mulheres acabam se brigando da função só de mãe.
O palestrante ainda listou 3 coisas que podemos aprender com os papais, são eles:
– Não é necessário (e nem possível) atender todas as demandas;
– Autorizar-se a ter o momento de descanso;
– Não viva com expectativas ou linguagem implícita.

O palestrante  finalizou com uma ótima frase:
As mulheres precisam entender que não é possível atender a todas as demandas, é questão de saber dar limites.
E assim terminou o dia com todas essas informações valiosas e já comecei a colocar em prática muito delas.
Foi convidada pela Lillo e já estou me preparando para o proxímo seminário.

Abaixo fotos dos stands:


stands do seminario pais e filhos


E aí gostaram?

Deixe seus comentários.













  


26 Comentários

  1. Mari, adorei o seu post! Me senti como se estivesse na platéia! E muito boas as dicas passadas, mãe é uma guia mesmo!!!

    ResponderExcluir
  2. Muito impressionada com a história de vida da Cris! Não conhecia! Adorei o resumo.
    Especialmente sobre a palestra do Hanns!
    Parabéns pelo post, Mari!
    Bj
    Juliana Carreras
    www.mamaerobo.com

    ResponderExcluir
  3. Mari, me senti na palestra com o seu relato. Realmente, as palestras da Cris Gerra e da Melinda Blau são ótimas e muito emocionante. Uma pena não ter conseguido ir, mas irei me preparar para as próximas. Um super beijo.

    ResponderExcluir
  4. Mari! Amei a frase! E vou usar pra sempre
    "você souber ouvir o que seu filho tem para dizer e aceitá-lo do jeito que ele é, você já será uma boa mãe”. Mais sensível impossível
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Melhor que seu post, só você mesmo Mari, amei te conhecer nesse evento!!!bjs
    @nossasaogemeos.

    ResponderExcluir
  6. Queria muito ter ido!! O evento parece ter sido incrive!!
    Deia Tomaz
    @lancheiradojoao

    ResponderExcluir
  7. Adorei o evento e mais ainda conhecer (e almoçar com vocês).
    Foi uma delícia
    Bjks mil e que venham mais eventos bacanas como este
    www.maeliteratura.com

    ResponderExcluir
  8. Super evento e o seu post está sensacional, acredito ter sido maravilhoso ;)

    ResponderExcluir
  9. Nossa adorei o post o evento parece que foi sensacionalismo... Amei bj

    ResponderExcluir
  10. Muito bom Mari!
    Já assisti as palestras da Melinda e da Cris Guerra e são otimas.
    Quem sabe no próximo eu consiga ir tb. Bjo

    ResponderExcluir
  11. Foi um dia maravilhoso! Mari adorei te conhecer pessoalmente!

    ResponderExcluir
  12. Deve ter sido show!

    ResponderExcluir
  13. É bem assim mesmo!!! As vezes as pessoas pensam que somos seres de outro mundo, so pode. Por que é assim que nos olham quando no veem tristes, ou nos sentindo pra baixo. Antes de tudo somos mulheres, somos gente!!! Temos nossos momentos de fraqueza, e também os de extrema e completa alegria. Como qualquer pessoa!!

    Beijos Mila (@mundodamae )

    ResponderExcluir
  14. Adoraria ter ido a esse seminário. Deve ter sido ótimo!

    Claudia
    @AsPasseadeiras

    ResponderExcluir
  15. Sempre acreditei que mãe feliz faz filho feliz, legal ouvir isso de alguém como a Cris, não é?

    Claudia
    @AsPasseadeiras

    ResponderExcluir
  16. Adorei o post, o seminário deve ter sido maravilhoso

    Beijos Mi Gobbato
    http://espacodasmamaes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir